domingo, 24 de janeiro de 2010

A PRIMEIRA VISTA


Bonita demais esta nem quero chegar perto, olha só, loira, linda e é claro, deve ser muito burra... Todas são burras, não pode haver exceção a esta regra imutável da natureza. Olha o sorriso! Que Sorriso plácido, aberto, puro, burra, só pode ser burra e ingênua, ou seja, ela é má, pois todas as pessoas burras tendem a magoar os outros e nunca se tocam. Não será fácil trabalhar com ela...
Sério demais, que cara fechada, Deus! Deve se achar o “grande pensador” com aquele par de óculos. Que olhar! Será que ele é de pedra? Que cara emburrado, esses caras metidos a inteligentes são todos iguais se acham dono do mundo e da verdade, olha como ele fala! Olha como ele fala! Que autoridade, ele que não venha para perto de mim. Será que eu deveria me ajoelhar e adorá-lo para poder alcançar uma parte de sua iluminação? Não será fácil trabalhar com ele...

O PRIMEIRO CONTATO... E OS QUE VIERAM
Que droga! Seja mais organizado, não toque em nada meu, Seu... Seu... O que? Tá pensando que fala com alguma idiota que teve a triste sina de ser tua namorada? Comigo não meu filho, me respeite! Repito, não toque em nada meu, nem uma caneta, nem uma caneta, seu estúpido!
Olha, deixa de ser imbecil e me passa isso agora! Tu não és dona de nada aqui és empregada como eu. Isso aqui não é concurso de beleza querida, você ainda não se tocou? Eu acho que esta tintura no seu cabelo que faz seus pensamentos chegue de forma “retardada” no seu cérebro. Ah! Finalmente um momento que ao te olhar sinto uma grande satisfação... Sim que lindo olhar de fúria...

O QUE O CHEFE DISSE
Ou vocês põem de lado as diferenças, ou ambos vão para o olho da rua, agora só quero ver vocês aos beijos e abraços, ouviram?

E O RESULTADO
O casal se entreolhou descrente da trégua e já pensando na futura despedida quando...

A SEGUNDA VISTA?
A princípio Júlia e André, isso mesmo, são o nome do dileto casal, simplesmente, mesmo trabalhando lado a lado o dia todo, não mais se falavam, nem mesmo quando precisavam...
Os dias se devoravam, e já se podia ouvir um cumprimento, quase que formal de ambos, uma pergunta burocrática, um amistoso empréstimo de material de trabalho...

ATÉ QUE UM DIA FINALMENTE HOUVE A SEGUNDA VISTA
E certo dia houve greve de transporte, o banco estava quase vazio, no setor onde Júlia e André trabalhavam só compareceram os dois e eles passaram o dia inteiro sozinhos, dir-se-ia que as armas foram embainhadas, e ambos despiram-se das armaduras...
Ele realmente é inteligente, hábil com as palavras, demonstra uma sensibilidade fora do comum, tão forte e vulnerável, tão sério e ao mesmo tempo hilário. Seu olhar é tão doce, e, mesmo quando as palavras são proferidas com decisão e força, sua voz está sempre macia, calma, plácida, envolvente... Que olhar...
Ela realmente é uma exceção, uma inteligência nata, e vejo em seus olhos o que antes achava ingenuidade, na verdade é a virtude que está incrustada nela como uma marca indelével, proclamando a todos quão virtuosa é esta mulher em sua vida, quão suave é sua voz, meiga, terna, bela, parecia que todas as belezas se uniformizara numa só pessoa....

DAS INDIRETAS QUE NEM SEMPRE O CORAÇÃO DOMINA A RAZÃO

Ontem aconteceu uma coisa absurda André, uma loucura, doidice mesmo. Sonhei que era tua noiva, vê se pode, tem lógica? Não, de forma alguma, não quero dizer que eu não ia quere, mas você sabe NE? Não tem nada a ver. Se o sonho foi bom? Foi horrível! Não, não é isso que você tá pensando é que havia alguma coisa que impedia a gente de ser feliz. É feliz, acabei acordando triste.
E por falar em doidice, sabe, eu sempre quis ser pai, quero muito mesmo, desde que me dou por gente, que penso num filho, é, filho, pode rir. E, sei lá! Acredito que você daria uma ótima mãe. Vê se não fica convencida depois tá, para com essa cara! Para com essa carinha de convencida safada agora. Tira esse sorriso do rosto...

E HÁ SEMPRE UM POETA
E, este poeminha eu fiz em homenagem ao aniversário de nossa querida colega de trabalho, Júlia Ferraz:

Há vários tipos de belezas
Aquelas que nos dominam com um olhar
Nos leva aos portais do inferno, seduzem, endoidecem
E maculam os mais nobres corações

Há aquelas que desafiam o poder do tempo
E mesmo com o passar dos anos,
Não se curvam, mas se erguem em toda sua majestade.

Há aquelas que nos trazem a paz
Transmitem-nos candura,
E nos leva a devoção

Mas há uma, superior a todas,
Não pode ser vista apenas sentida
Poucos a têm e menos ainda possuem a ventura e a perspicácia de encontrá-la.
Com seu simples toque, qual Midas, ela engrandece e torna belo tudo que toca,

Emana da alma, impregna o ar, seduz, acalenta e dá guarida,
Somos bem aventurados, pois esta beleza superior que vos falo
Encontrei em ti (minha?) não, nossa Júlia.
E eis que quaisquer portas e trancas que havia em um dos corações foram destruídas de bom grado, e agora, era só esperar para o final feliz?


MAS A PEDRA, SEMPRE HÁ A PEDRA MEU AMIGO

Júlia estava como casamento marcado, já namorara há cinco anos, já haviam comprado casa e móveis e há muito exibia a aliança de noivado.
André namorava firme há sete anos e praticamente crescera com sua então namorada.
Crises, dúvidas, conflitos, medos, desejos.

E ENQUANTO ISSO?
Olhares ternos, sorrisos largos, toques afáveis com as mãos, camaradagem, carinhos fraternos, almoços longos, e haja poesia...
Horas no telefone, confidências mútuas, e algumas lágrimas no caminho, coração aflito, falta de ar, e o suspiro ao verem um ao outro entrar. Telepatia? Claro que havia, ou algo mais que isso, eles não apenas sentiam um ao outro, se iluminavam ante ao outro cada um era sol e astro iluminado. Eles não queriam mais estar juntos, estavam condenados a isso.
E quem dirá nos corredores se foram amantes? E quem não dirá por aí que havia algo especial... E quem não poderá supor que um simples toques de mãos havia mais energia que uma bomba nuclear.
Mas, ele a respeitava muito, não tinha nada a oferecer, tão jovem e não queria vê-la sofrer...
Mas, ela esperava por ele, pois sem sua força decisiva sabia que tinha muito a perder... Sem a sua força ficaria totalmente desprotegida... E lá estava o casal diante de outro, apenas mais um passo, apenas uma porta que naquele momento estava aberta separava-os, só um passo... Antes que a porta fechasse.

TEVE BEIJO?

Ela pedira demissão, há algumas semanas não se viam, ela olhava-o profundamente, esperando...
Ele nunca a vira tão linda, a sentia na palma da mão, a dela, tremia junto a sua, fitando-se como dois desesperados. As cabeças cada vez mais se aproximando. Ele pergunta se pode beijá-la, ela responde que sim, e do jeito que lhe convier.
Os olhos caminham um para o outro, o tempo pára, os ponteiros do relógio simplesmente congelam, e não há mais nenhum ser humano na terra exceto André e Júlia. E aqueles segundos parecem uma eternidade. Cada vez mais perto, em algum lugar alguém festeja antecipadamente a libertação do amor, em algum lugar uma menina chora de emoção, e os lábios quase se tocam quando...
Ele desvia a boca e a beija, ternamente na testa.
Em algum lugar há um grito e a porta se fecha abruptamente. Só restam dois só chorando baixinho, porque até para se chorar nesses instantes, tem-se que sofrer calado.


E NO FINAL DAS CONTAS?
Ela se casou com o tal noivo tiveram um lindo filho, mas ela pediu divórcio um ano após o casamento. Dizem as más línguas que o maridão triturou os poemas escritos pelo ex- colega de trabalho... Ah! Nome do filho? André.
Ele viveu sua vida só mesmo, acabou mudando radicalmente seus valores e sua forma de pensar, dizia não acreditar em amor eterno e coisas do tipo, mas toda vez que à noite estava sozinho no seu quarto pensava na Júlia...
Tinha vontade de chorar. Às vezes um beijo mal dado é uma maldição anunciada, que só passa, após a campa.

A ÚLTIMA VISTA
E um dia lá no futuro distante, talvez eles se encontraram e já velhinhos, deram-se as mãos, caminharam pelo jardim da vida até o pomar dos esquecidos.

Adriano Cabral. 19/12/2000

11 comentários:

  1. Nossa, adorei reler esse texto. Muito bom mesmo... mas cadê QUATRO DIAS?, está faltando ele aqui. No mais, parabéns pelo seu talento.

    ResponderExcluir
  2. Nossa Adriano, quanta sensibilidade tem esse texto!!! Muito bom mesmo!!! Adorei!!

    ResponderExcluir
  3. Me tocou de alguma forma, esse texto. Me vi nesse André. E tirando alguns detalhes, o texto me tocou porque eu ja VIVI isso. E o fim é bonito. Não é algo que qualquer mulher faria, por n razões. Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  4. muito interessante o seu texto

    ResponderExcluir
  5. Maria Morena Santana26 de janeiro de 2010 18:41

    Nossa! Estou quase chorando... Lindo demais, porém triste... Me tocou muito esse texto!
    Voce escreve coisas maravilhosas e a cada texto que eu leio, aprendo um pouco mais sobre a Vida...
    Parabéns e continue escrevendo muito! rsrs.

    ResponderExcluir
  6. Nossa me emocionei de verdade um amor assim seria tão bom vc ter alguem em quem confiar.
    Sabe pq as pessoas se divorciam?
    Pq elas olham mas não enchergam,pq elas tem medo da vida,medo de ser feliz,medo de errar, do arrependimento.
    Sabe o meu maior medo é não viver o suficiente,é não fazer tudo que eu quero fazer,é não conseguir dar o 1° passo.
    Gosto muito do que vc escreve me faz pensar
    um beijo !!!!

    ResponderExcluir
  7. Muito bonito, meu amigo. Coincidentemente escrevo em meu blogue um texto com a mesma temática. Lendo isso me lembra o poeta Vinícius: "A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida".
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o texto! Sensível e simultaneamente simples,de linguagem rápida.
    Quanto ao tema:cruel! Toca a todos,pois ninguém escapa ao amor... Quase choro... E ele ainda coloca a imagem dos dois velhinhos felizes,pra nos torturar!
    Mais uma vez,um bom texto!Meus parabéns,Adriano!

    ResponderExcluir
  9. Por que os dois não ficaram juntos?, eu não entendo... quer dizer entendo, o medo explica muitas coisas, mas esse texto me parece um ode a desistência, ela era noiva e dai terminasse o noivado e pronto, uma das coisas que definitivamente me assusta é se prender alguem, qunado vc escolhe ficar com alguem isso não é se prender pq vc decidiu isso, agora ir adiante com um noivado gostando de outro, que louca,e ele tb pq não insitiu?, mas acho que pior foi ela, que casou comm outro pq diabos alguem fica com alguem se não gosta da pessoa? poxa será que nunca ouviram o ditado, antes só do que mal acompanhado?... não entendo... antes ficar comigo mesma do que me submeter a companhia de alguem desnecessário...

    ResponderExcluir
  10. Tentei comentar antes e não consegui.. Adorei o texto. Não sabia que tinhas este talento. Muito orginal e muito real, sem final feliz como uma novela. Me parece bem mais o mundo real onde as pessoas possuem muito medo de arriscas.

    ResponderExcluir
  11. Incrível como as pessoas se aprisionam em falsas prisões e se negam a fazer o que querem 👏

    ResponderExcluir

É sempre bom ler o que você tem a dizer! Se possível deixe a cidade de onde você esta teclando.