sábado, 11 de julho de 2009

Pedaços de Mim

De outro lado penso que o melhor é ficar sozinha. Sozinha.
Na verdade sempre estive só. Solidão é tipo de palavra que parece que foi criada para definir minha vida. Só a minha?
Todas ás vezes que ando na rua eu vejo as pessoas lá, alegres, tristes ou indiferentes. Todas as pessoas estão lá. Mas elas nunca estão aqui, comigo, não de verdade entende? Às vezes ficava no quarto falando contigo e você jogado, nu, mas quase sempre parecia que você tava dormindo, na verdade realmente você dormia. Pensando melhor, eu também dormia, hibernava em devaneios fatais de fim, eu estava feliz, mas me falavam tanto que podia haver algo melhor...

Não quero que pense que estou aqui escrevendo pra te convencer a ter dó de mim. Nem eu mesmo tenho pena de mim. Eu que tenho pena de ti, pois sei que ao me deixar você acreditou que sua vida iria melhorar, mas definitivamente não vai. Nada vai melhorar e assim como eu, estarás condenado pelo resto da vida a procurar procurar procurar procurar...

Mas a verdade é que sei que você tomou a decisão correta, ao menos, naquele momento, a coisa certa. E nesse instante sinto mais pena de mim, não por quem sou agora, mas pela louca que fui, dia a dia lutando para te magoar e mostrar pra ti que não eras assim tão importante e que eu não era a mulher que você desejava para toda vida. Então posso te dizer com toda humildade dos que choram, com toda honestidade dos derrotados, que sim, eu não era a melhor opção quando você me deixou, merecias alguém melhor. E agora, só, tenho a consciência plena que não há mais ninguém para responsabilizar pelos meus atos, ou a ausência deles, minhas falhas, minha covardia.
O problema é que sinto tua falta, sinto tanta, tanta, tanta, tanta... a tua falta que chego a não ter certeza se a saudade é realmente de ti ou de mim, explico, de quem eu era quando estava nos teus braços. Eras! Eu não sei nem ao menos se nós realmente existimos ou fomos mais uma ilusão, mais um delírio, um artifício da minha mente para tornar essa maldita contagem regressiva ao caminho do nada palatável, com algum sentido.

Só sei que á noite que fica mais difícil evitar tua presença, é mais fácil ouvir sua voz. Não aquela ao telefone conclamando-me a ter "amor-próprio", droga de amor próprio, quem na vida teve o que se chama felicidade contando apenas com esta merda de amor-próprio? Todos me diziam para ter amor próprio, para pensar em mim, em mim, e como uma tola não notei que atabalhoadamente eu tentava a todo custo ser “mais eu” e no processo me tornava quase nada por me afastar de ti. E agora todos que se esforçavam tanto para me ensinar a viver vivem suas vidas, e quando os olhos súplices, pedindo ajuda, respondem com o olhar que diz: Você que fez e viveu sua vida, viva.
Mas eu dizia que é a noite que eu ouço a sua voz, não, não, eu escuto a minha voz e ela sai dos seus lábios doces, quentes e exalando desejo, gozo e a loucura de sensações, o império dos sentidos, o suar, gemer e gritar indefinidamente no teu corpo úmido do meu. Lembro do teu sabor, do teu cheiro, Teu cheiro, tua boca mergulhando inteira em mim, lembro da minha... Do meu gosto... Já não sei de quem eu sinto saudade. Olho-me no espelho e vejo uma pessoa estranha.
Saudade? Há se fosse só isso. É desespero que toma conta do corpo, a cabeça, queima ou é algo atrás da nuca... Um frio insensato causado por alguma insensatez em acreditar que há algo maior que isso que vejo...
E o que apenas vejo é você dizendo que estaria comigo pra sempre, que irias pegar a minha mão e não soltarias mais, que daquele momento em diante nada poderia ser pior, porque afinal eu estava contigo...
Angústia, dor física, dor moral, dor da perda, tudo isso é pouco. Busco pensar em outras dores, tento lembrar até da minha mãe morta, sim minha mãe morta, tento lembrar da dor, e até choro com saudades dela, daquela que me foi arrancada sem direito a recurso. Mas é pouco, você não foi arrancado, você não está morto para todos, você morreu apenas pra mim. E maldito seja os dias em que te vejo na minha frente e você não me vê, mesmo quando me olha profundamente nos olhos. Mesmo quando sorri. Talvez eu também não te veja mais, apenas um retrato e algo que já se foi... Nessas horas minha mãe parece mais viva que você.

Por outro lado acho que seria possível viver só, mas o grande problema, é que depois de tudo estou mais do que só. Quando te deixei, quando você foi embora, simplesmente levas-te-me contigo e agora sinto saudades de mim.

video
                                   Essa letra combina com o texto.

by Adriano Cabral

13 comentários:

  1. Como eu estava com saudades do meu blogueiro romântico! Ao Ler esse texto acabei me vendo um pouco nele. E sabe, talvez para alguém não muito esperto possa parecer que haja uma anulação do ser, mas vejo de outra forma, e creio que é assim que o autor quis nos mostrar. Ás vezes somos melhores quando estamos com alguém que nos vê e percebe dentro de nós o melhor que temos, então de alguma forma associamos aquele nosso "eu" a outra pessoa, pois só com ela ou perto dela esse nosso pedacinho se sente mais forte para viver e ser livre.
    Lindo! você é realmente lindo!

    ResponderExcluir
  2. Ahh cara! sei que é só criação da cabeça do blogueiro, mas me dá nojo gente assim que toma decisões sem refletir e tempos depois quando o "leite coalhou" tem a "grande revelação que fez merda". Acho que as pessoas tem que se liga pow! A vida não é só "um momento".
    E há coisas que só se encontra uma vez na vida.
    Finalmente tenho nojo de gente assim.

    ResponderExcluir
  3. Essa é a grande verdade da vida. Quando nos relacionamos com alguém, seja na amizade, ou no amor, a cada dia vamos nos construindo dentro dessa pessoa. É como se houvesse uma transferência (nem sempre mútua) de um p/ dentro do outro. Então, quando o relacionamento acaba, o nosso pedaço dentro do outro se vai.. mas o que está dentro de nós custa a sair. Talvez porque nós mesmos não queremos que saia.
    Sabe, não tenho nojo de gente assim. Tenho pena. Ninguém sabe qual foi a história dela. Quantas vezes se magoou, se decepcionou, chorou sozinha angustiada por alguém que lhe abandonou. Situações assim nos fazem esfriar. Acabamos construindo um muro p/ cada decepção que temos.. Um atrás do outro, até nos isolarmos completamente da humanidade. Talvez essas "decisões sem pensar" sejam fruto de um coração machucado, partido.. E infelizmente nos impedem de reconstruir uma história nova. Por isso, não sinto nojo. Sinto pena. Pena, porque ninguém merece viver sozinho, ainda que pense que essa é a melhor solução. Como um amigo meu vive dizendo: Viva! Apenas VIVA. Você passará por momentos de extrema felicidade e emoção, mas também passará por momentos de extrema tristeza. Contudo, acredite: Vale a pena.
    Eu quero um dia poder olhar p/ trás e dizer com toda a sinceridade do mundo: EU VIVI. Fiz o que tinha que ser feito porque EU mesma quis. Sofri, chorei, amei, sorri.. Vivi.
    Belo texto Adriano. Como sempre. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Eu concordo com a leitora acima Sayuri, eu tenho pena de pessoas assim, de certa forma, eu já fui assim, me deixei levar pelo côro de "pensar em mim" como se isso só fosse possível num processo egoísta e individualista do ser. Ninguém vive só, ninguém em sã consciência quer viver só, não existe isso de pensar apenas em si, é criação doentia da geração capitalista selvagem.Isso gera uma grande desagregação familiar, de amigos e amantes que se separam porque em tese tem "uma vida pela frente. La Vita É Adesso.

    E triste de quem só tem a si mesmo para se preocupar, muito triste. Uma das coisas mais gostosas do mundo é você pensar no que é MELHOR para si e quando amamos, amamos mesmo, poucas coisas são melhores do que pensar nas várias formas de viabilizar a vida comum. Vamos abrir mão de alguns "sonhos" no processo: com certeza, mas nenhuma grande escolha é feita sem algum sacrifício.
    Hoje tenho "tudo" que sempre quis e estou só, justamente porque priorizei o que "esperavam" de mim. Adoraria estar presa, cativa, sendo assim parte de alguém e esse alguém sendo parte de mim. Pode parecer piegas e tolo, mas você pode conquistar o mundo, mas se pra isso você tem que sacrificar as pessoas que você ama, principalmente se for seu grande amor, nenhuma conquista vale a pena. Só as pessoas muito frustradas e que nunca amaram de verdade pregam as "coisas práticas" em dentrimento do coração.
    Parabéns Adriano por mais um texto que toca fundo meu coração, parabéns colega leitora pelo comentário acima, viva! viva! viva! e deixem os sábios nos chamarem de tolas.
    Acrescento que você não deve deixar os problemas, dores, e dificuldades minarem sua alma, o sofrimento sempre faz parte do processo, mas a felicidade intensa raramente faz parte de nossas vidas.

    ResponderExcluir
  5. Texto dolorido, real, vai na vêia, acho que quem lê e reflete sobre ele se sente mal. Eu me senti.
    A impressão que passa que se havia algo de errado na relação e havia sofrimento e dor ela era fichinha diante do que veio depois.

    Mas acho que a questão aí não é de pena nem de nojo, é a vida. Temos escolhas, temos uma vida e não dá para advinhar o futuro, no máximo podemos senti-lo. Acho que a opção de viver tudo que há pra viver é a ideal, mas nem sempre é a que temos força para exerce-la. O mundo real não é feito de heróis mas de pessoas comuns e normalmente medíocres que segue na vida como um cavalo guiado, ora pelo chicote, ora pelos berros do cavaleiro, ora simplesmente pelo caminho a frente.
    Por isso ta perdoada a personagem, agora era bom ela parar de encher e escrever para o cara. kkkkk

    ResponderExcluir
  6. Bons textos, sempre reais, inteligentes e bem escritos. Este em espcial é muito triste. Não sei o que é pior, o fato dela ter feito a escolha errada ou dela ficar se atormentando. Errou, paciência, segue em frente ou se humilha e tenta consertar o passado com a mesma dedicação que destruíu o presente.
    Só acho doentio esse negocio de depender tanto de outro. Não acho legal, eu dependerei de alguém enquanto esse alguém me fizer bem, e só.

    ResponderExcluir
  7. Okey, agora ela só precisa esperar o príncipe encantado... que sempre se transforma num sapo e pula cerca ou num grande otário quá quá quá... legalzes! Ou ele é os dois ao mesmo tempo...ahahahahah.

    ResponderExcluir
  8. Agraço os comentários acima e a paciência que alguns têm para ler meus textos.

    Minha opinião quanto ao próprio texto é a seguinte: Acho que um grande amor é capaz sim de mudar um ser humano, não de consumí-lo, mas mudá-lo, e fazê-lo para melhor. Eu particularmente me sinto uma pessoa melhor quando estou junto da pessoa amada, sinto-me mais forte para resistir ao "mal" e para lutar pelo que é "bom". Não acho isso falta de personalidade na medida que é uma ESCOLHA.

    De outro lado é triste pensar que muitas pessoas precisam ir ao "fundo do poço" para acordarem e darem o verdadeiro valor que algumas pessoas tem na vida dela. Eu já fui ao fundo do poço para descobrir, mas nem todo mundo é capaz de sair... e nem todo mundo sai em tempo de consertar as tolices que faz.

    Por isso concordo com o ditado: O inteligente é o que aprende fazendo, o sábio é que aprende com os erros dos outros.

    ResponderExcluir
  9. Eita cheguei tarde!! Os comentários já foram mt bem representados pelos "blogueteiros" de cima!!! Muito bom texto, muito bom, muito bom!!!
    Próximo texto???? cadê, cadêee? rs

    bjs

    ResponderExcluir
  10. adorei, a postagem... e acredito que o que escreverei em baixo, resume minha vida.
    Porque sera essa angustia em meu peito...
    Porque doi tanto as lembranças de um passado distante...
    Porque essas lagrimas que rolam apenas dentro da minha alma...
    Porque tamanha tristeza oprime meu ser...
    o que é a angustia afinal?
    A vida que se deixou de viver!
    Os sonhos que se perderam no tempo!
    A esperança que ainda teima em existir!
    As palavras não ditas e que agora é tarde demais para dizer!O que é a angustia afinal???

    Um sorriso... uma emoção... um amor... ou apenas um sonho em vão.
    Paraná
    dir

    ResponderExcluir
  11. gostei desse texto tbm, muito bom. e em relação aos demais irei ler e dar minha opiniao.
    abraços!!!

    ResponderExcluir
  12. eu- Natasha
    me dá nojo gente assim que toma decisões sem refletir e tempos depois quando o "leite coalhou" tem a "grande revelação que fez merda". Acho que as pessoas tem que se liga pow! A vida não é só "um momento".
    Ah Paula não seja tão definiva, as pessoas acham que um momento define tudo, e usando suas palavras a vida Não é só um momento, não dá para condenar nem enaltecer alguem por causa de um momento, as pessoas erram e acertam a medida que o tempo passa, a questão ai não é errar e acertar, é o que vale a pena ou não, vale a pena esperar alguem aprender? se vale,se o seu sentimento for paciente o suficente então espere, agora se o sofriemtno é maior que o amor, então apenas se despeça...

    ResponderExcluir
  13. "Tenho pena. Ninguém sabe qual foi a história dela"
    "Eu concordo com a leitora acima Sayuri, eu tenho pena de pessoas assim... não existe isso de pensar apenas em si, é criação doentia da geração capitalista selvagem"

    Pena não me parece o melhor dos sentimentos a se ter por alguem...ah não sejamos hipocritas nimguem gosta de sofrer, seja qual for motivo é natural que busquemos formas de nos proteger, essas barreiras não são de todo ruim sem elas seriamos tão frágeis como bolhas de sabão que se desfazem com a mais leve mudança dos ventos.. agora é bom lembrar que essas barreiras pscicológicas não podem ser rigidas a ponto de impedir o contato com o outro, até porque quanto mais rigida mais inutil ela se torna e aqui bem cabe a fisica para explicar, a rigidez é diretamente proporcional a fragilidade de um corpo ou neste caso da alma, quanto mais isolado, mais fragil vc se se torna.

    ResponderExcluir

É sempre bom ler o que você tem a dizer! Se possível deixe a cidade de onde você esta teclando.