sábado, 28 de maio de 2011

Homossexualismo Segundo Frei Betto



As vezes a única coisa que podemos fazer é reproduzir textualmente as palavras de outra pessoa. Logo, abaixo vai o texto de Frei Beto, autor que despertou em mim o prazer de estudar história, neste texto abordando o tema Homossexualismo. Vale a pena conferir. Opinem.

Frei BETO:


É no mínimo surpreendente constatar as pressões sobre o Senado para evitar a lei que criminaliza a homofobia. Sofrem de amnésia os que insistem em segregar, discriminar, satanizar e condenar os casais homoafetivos. No tempo de Jesus, os segregados eram os pagãos, os doentes, os que exerciam determinadas atividades profissionais, como açougueiros e fiscais de renda. Com todos esses Jesus teve uma atitude inclusiva. Mais tarde, vitimizaram indígenas, negros, hereges e judeus. Hoje, homossexuais, muçulmanos e migrantes pobres (incluídas as “pessoas diferenciadas”…).

Relações entre pessoas do mesmo sexo ainda são ilegais em mais de 80 nações. Em alguns países islâmicos elas são punidas com castigos físicos ou pena de morte (Arábia Saudita, Irã, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Nigéria etc). No 60º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 2008, 27 países-membros da União Europeia assinaram resolução à ONU pela “despenalização universal da homossexualidade”.

A Igreja Católica deu um pequeno passo adiante ao incluir no seu catecismo a exigência de se evitar qualquer discriminação a homossexuais. No entanto, silenciam as autoridades eclesiásticas quando se trata de se pronunciar contra a homofobia. E, no entanto, se escutou sua discordância à decisão do STF ao aprovar o direito de união civil dos homoafetivos.

Ninguém escolhe ser homo ou heterossexual. A pessoa nasce assim. E, à luz do Evangelho, a Igreja não tem o direito de encarar ninguém como homo ou hetero, e sim como filho de Deus, chamado à comunhão com Ele e com o próximo, destinatário da graça divina.

São alarmantes os índices de agressões e assassinatos de homossexuais no Brasil. A urgência de uma lei contra a violência simbólica, que instaura procedimento social e fomenta a cultura da satanização.

A Igreja Católica já não condena homossexuais, mas impede que eles manifestem o seu amor por pessoas do mesmo sexo. Ora, todo amor não decorre de Deus? Não diz a Carta de João (I,7) que “quem ama conhece a Deus” (observe que João não diz que quem conhece a Deus ama…).

Por que fingir ignorar que o amor exige união e querer que essa união permaneça à margem da lei? No matrimônio são os noivos os verdadeiros ministros. E não o padre, como muitos imaginam. Pode a teologia negar a essencial sacramentalidade da união de duas pessoas que se amam, ainda que do mesmo sexo?

Ora, direis, ouvir a Bíblia! Sim, no contexto patriarcal em que foi escrita seria estranho aprovar o homossexualismo. Mas muitas passagens o subtendem, como o amor entre Davi por Jônatas (I Samuel 18), o centurião romano interessado na cura de seu servo (Lucas 7) e os “eunucos de nascença” (Mateus 19). E a tomar a Bíblia literalmente, teríamos que passar ao fio da espada todos que professam crenças diferentes da nossa e odiar pai e mãe para verdadeiramente seguir a Jesus.

Há que passar da hermenêutica singularizadora para a hermenêutica pluralizadora. Ontem, a Igreja Católica acusava os judeus de assassinos de Jesus; condenava ao limbo crianças mortas sem batismo; considerava legítima a escravidão;e censurava o empréstimo a juros. Por que excluir casais homoafetivos de direitos civis e religiosos?

Pecado é aceitar os mecanismos de exclusão e selecionar seres humanos por fatores biológicos, raciais, étnicos ou sexuais. Todos são filhos amados por Deus. Todos têm como vocação essencial amar e ser amados. A lei é feita para a pessoa, insiste Jesus, e não a pessoa para a lei.

FREI BETTO, Frade Dominicano, nasceu em Belo Horizonte, em 25 de agosto de 1944, foi preso duas vezes durante a ditadura e é um escritor premiado internacionalmente, sua obra mais lida: BATISMO DE SANGUE. Grande pensador da Teologia da Libertação.

15 comentários:

  1. "Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus."(1 Co 6:10)

    “Não te deitarás com outro homem, como se fosse mulher, é abominação” (Lv 18,22)

    "E aconteceu que, estando Jesus em casa sentado à mesa, chegaram muitos publicanos (cobradores de impostos corruptos) e pecadores e sentaram-se juntamente com Jesus e seus discípulos. E os fariseus, vendo isso, disseram aos seus discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores?
    Jesus, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas sim, os doentes. Porque eu não vim para chamar os justos, mas os PECADORES, AO ARREPENDIMENTO." (Mateus 9:10 a 13)

    Ai ai... onde já se viu um padre, alguém que deveria conhecer um pouco mais a fundo a Palavra de Deus, falar uma coisa dessas. E pior, ainda usar a bíblia fora de seu contexto para justificar tais práticas.

    Deus apesar de Deus amar os homossexuais, Ele abomina as práticas homossexuais. Jesus morreu para que essas pessoas tivessem a chance de serem libertadas da escravidão desse pecado através de sua Graça, assim como qualquer outro pecado também (Vide Romanos 6).

    ResponderExcluir
  2. Caro anônimo. Você deveria ter prestado mais atenção ao texto do Frei, até porque ele deixa bem claro que não é muito inteligente interpretar a bíblia ao pé da letra sob risco de termos que passar o fio da espada todos os infiéis, isso consta na pregação do levítico que você citou. Jesus veio trazer a boa nova, e nela não há nenhuma referência a prática homossexual. Com todo respeito as suas crenças, realmente Deus tem ou coisa melhor do que se preocupar com coisas de quem deita com quem. Jesus resumiu os mandamentos em amar ao proximo como a ti mesmo e amar Deus. Amém.

    ResponderExcluir
  3. Caro, o fato de Jesus nunca ter mencionado especificamente o homossexualismo não significa sua aprovação. Ele também não se pronunciou claramente sobre muitos outros problemas sociais, tais como: seqüestros, abuso sexual, prostituição infantil, tráfico de drogas. Entretanto, a Bíblia apresenta direta e indiretamente os princípios inegociáveis de Deus para a moralidade e dignidade humanas. Na verdade, ao se referir ao plano de Deus para a sexualidade, Jesus reafirmou o ensino vetero-testamentário sobre o casamento heterossexual e monogâmico. Ele excluiu a suposta naturalidade das práticas homossexuais quando incentivou o casamento. Jesus Cristo afirmou em Mt 19:4-6:

    “Não tendes lido que o Criador desde o princípio os homem e mulher, e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? De modo que já não são mais dois, porém uma só carne.”

    Você deve conhecer a história da mulher que foi pêga em adultério. Ela foi levada até Jesus pelos fariseus, para que Ele desse um veredito. E o que foi que ele por fim falou aquela adúltera?

    "E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e NÃO PEQUES MAIS." (João 8:10 e 11)

    Jesus nunca aprovou o pecado, nem foi condescende com o mesmo. Ele veio para nos libertar dos nossos pecados, e não para liberar o pecado.

    Interessante como hoje em dia as pessoas tentam passar uma imagem de Jesus como sendo um tipo de um revolucionário, um rebelde sem causa,um hip que pregava "paz e amor". Isso, claro, é uma mentira. A missão de Jesus não era essa. Sua missão não era quebrar as leis que Ele mesmo havia dado no monte sinai, na época do Antigo Testamento - imagine a incoerência! Sua missão estava muito além disso.

    "Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado."(João 8:34)

    "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." (João 8:36)

    Essa é a Boa Nova que Jesus veio trazer para todos nós, inclusive para o homossexuais! Afinal, quem está em Cristo é nova criatura, as coisas velhas passaram!

    Por isso que eu disse que não se deve falar da bíblia fora de seu contexto. Há uma passagem em que Jesus fala que Ele não veio trazer paz, e sim espada. Agora imagine se algum fanático tira conclusões precipitadas disso...

    ResponderExcluir
  4. Adriano, concordo que não devemos julgar ninguém, mas dizer que Deus não se importa com a questão da homossexualidade está contradizendo o que a bíblia ensina.

    Eis o amor que a bíblia ensina:

    "Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." (I João 4:8)

    "E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria."(I Co 13:3)

    A bíblia diz que Deus é amor, portanto se não tiver Deus de nada me adianta ser bondoso, caridoso, etc.

    "A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei. Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás; e se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. O amor não faz mal ao próximo. De sorte que O CUMPRIMENTO DA LEI É O AMOR." (13:8-10)

    Jesus quando disse que um de seus mandamentos era "Amar ao próximo como a ti mesmo", ele não criou isso do nada.

    "Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR."(Lev 19:18)

    Como podes ver, o mesmo livro que condena o homossexualismo, também cita o famoso "mandamento de Jesus". Jesus nunca contradiria as Escrituras. Esse fato nos leva a crer que homossexualidade nada tem a ver com amor, essa é a realidade.

    Volto a dizer, Jesus ama os homossexuais, mas odeia o homossexualismo.

    ResponderExcluir
  5. Vamos tratar com os anônimos: primeiro o anônimo numero 1.0 rs (ta parecendo o blog da sayuri)
    Caro anonimo, a bíblia é um conjunto de livros reunidos que de alguma forma estão coligados. Há uma divisão clara no mesmo livro no que tange ao velho e novo testamento. Naquele, há uma clara influência das pessoas e dos costumes da época, a não ser claro, que você acredite que Deus muda de idéia. Vou enumerar exemplos:
    1-Moisés assim como seu irmão tinham mais de uma mulher, a poligamia era regra entre os antigos hebreus.
    2-O velho testamento e recheado de ameaças de vingança, ira, e ódio. Davi por exemplo, após derrotar Golias nega piedade a este, mesmo depois dele implorar. Davi simplesmente arranca a cabeça do gigante e diz que seu corpo será "devorado pelas aves do céu".
    3- O levítico prega a morte e o genocídio de todos que não acreditam no Deus de Abraão. Tem dentre outra pérolas o Olho por olho e dente por dente.

    Eu vos pergunto: o que mudou? Deus ou as leis e os costumes dos homens? O fato é que quase todos os profetas do antigo testamento eram pessoas no mínimo de caráter duvidoso: Moisés traíu Deus e não chegou a terra prometida, Saul tentou impedir Davi de ser Rei, Davi matou o melhor amigo pra ficar com a mulher dele, para MELHORAR, acobertou o estupro da PRÓPRIA filha, Salomão roubou a rainha de Sabá, e aí vai...
    E veio Jesus, como não dizer que ele não era um revolucionário? Ele chocou toda sociedade da época, ele se recusou a guardar os sábados, ele revogou o olho por olho, ele se fixou no perdão e na união, ao invéz de se pautar o medo e no terror do antigo testamento. Jesus trouxe a "boa nova". Ele revogou os "sacrifícios de animais". Ele impediu um apedrejamento de uma mulher (que não obstante você dizer que era uma adúltera não há NADA na bíblica que indique isso). Jesus foi tão "cri cri" que foi morto. E perdão amigo, com todo respeito, mas Jesus é o caminho a verdade e a vida, e ELE não se precupou em NENHUM momento de falar do homossexualismo (provavelmente teve coisas melhores pra fazer) Só Paulo, (um rapaz de caráter pra lá de duvidoso) muitos anos após a morte de Jesus que tocou no assunto. Voce disse: "Caro, o fato de Jesus nunca ter mencionado especificamente o homossexualismo não significa sua aprovação. Ele também não se pronunciou claramente sobre muitos outros problemas sociais, tais como: seqüestros, abuso sexual, prostituição infantil, tráfico de drogas" Este seu argumento é pra lá de sofrível, Jesus pregava o amor ao próximo, qualquer pessoa com o mínimo de bom senso saberia que prostituição infantil ou não, e os outros crimes citados por você fazem MAL ao próximo, é um raciocínio bem silogístico.

    Você citou o evangelho de João e não ajudou em nada a sua causa. Jesus não fala do homossexualismo como pecado, ponto final. Se eu fosse você relia, ou lia pela PRIMEIRA VEZ os quatro evangelhos. O fato de alguém ser homossexual não fere, nao mata, não machuca ninguém, a não ser as pessoas intolerantes e que não sabem lidar com a diversidade.
    Jesus não odeia quem apenas ama diferente. Isso é completamente insano, e anticristão.

    ResponderExcluir
  6. Anonimo 2.0

    A leitura de qualquer texto tem que ser contextualizada. Ler o antigo testamento com os olhos de hoje é tão inadequado quanto ler o Alcorão pensando nos tempos de Maomé.
    Repito-vos Jesus não odeia alguém apenas porque ama diferente do habitual.
    Tenho fé que todos esqueçam os preconceitos de cinco mil anos atrás e amem conforme o amanhã.

    ResponderExcluir
  7. Ganhou mais uma leitora, e olhe que sou muito fiel!
    =D

    ResponderExcluir
  8. Primeiramente, os dois anônimos são a mesma pessoa, claro que você percebeu.

    De acordo com a idéia geral do seu comentário, é como se você estivesse dizendo - preste bem atenção no absurdo - que o Velho Testamento e o Novo Testamento se contradizem, ou que o Deus do Antigo Testamento e Jesus são pessoas completamente diferentes, e isso é um grande equívoco, Jesus mesmo disse “antes que Abraão existisse, EU SOU [referência a libertação do Egito]”, “Eu e o Pai somos um”, “Quem vê a mim, vê o Pai”, etc. Você também procurou tirar a autoridade do Antigo Testamento pelo fato de muitos de seus personagens terem cometido pecados. Só que esses argumentos trazem a tona a (falsa) idéia de que a bíblia é, como você mesmo disse, um conjunto de livros reunidos simplesmente, e não a Palavra de Deus. Se formos acreditar nos seus argumentos, a bíblia é apenas um livro histórico/fictício e não um livro inspirado em seu todo, sendo assim podemos até supor que Deus é apenas fruto da imaginação humana!

    “Toda a Escritura é inspirada por Deus” (II Timóteo 3:16)
    "Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo." (II Pedro 1 : 21)


    De acordo com o verso acima, quem está por trás da bíblia em seu todo é Deus, e não apenas no A.T. ou no N.T.; logo, não há porque o Novo Testamento "desmandar" o Velho Testamento.

    Você citou a poligamia, porém não há um verso bíblico em que Deus aprove tal prática, pelo contrário, quando Deus fala do relacionamento conjugal, Ele explicíta a monogamia em Gn 2:24.
    Interessante que o próprio Jesus é bem enfático respondendo aos fariseus:

    “Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio MACHO E FÊMEA OS FEZ, e disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.” (Mat 19:4-6)

    O contexto é o divórcio, mas repare como não como encaixar o homossexualismo dentro do contexto acima.
    Outra coisa, Moisés e Arão não tiveram mais de uma esposa.

    Quanto a questão do povo do A.T. ser "vingativo" ou cruel, não é verdade pelo fato de que quando eles matavam era a mandado de Deus, como juízo àqueles povos que tinham rejeitado por séculos a misericórdia. Como esses povos aumentavam mais e mais a sua impiedade, Deus prometeu a terra deles (Canaã) para o povo de Israel. No tempo determinado estes últimos executaram os juízos de Deus sobre aqueles povos - vide Josué, Juízes, etc.
    Um desses povos é os filisteus, do qual Golias fazia parte. Davi, ajudado por Deus, matou Golias com uma pedrada certeira, após este zombar do povo de Israel e de Deus. Juízo Divino.

    “Suscitou o SENHOR juízes, que os livraram da mão dos que os pilharam[...]"(Jz 2:16)

    A lei do "olho por olho", ao contrário de parecer estimular a vingança, ela protegia as pessoas e LIMITAVA a 'vingança e a justiça feita com as próprias mãos' [como fez Caim], pois a pena devia ser proporcional ao crime, e não maior!

    ResponderExcluir
  9. Bom, se eu estou precisando ler os evangelhos, então estamos na mesma, pois você parece estar precisando ler o A.T. também.
    O livro de levítico foi ditado por Deus a Moisés no monte Sinai, não foi obra da imaginação de dele.
    O livro de Levítico não diz que eles deveriam matar qualquer um que não seguisse a Deus, mas sim os povos que Deus havia ordenado (amorreus, jebuseus, fereseus, etc), que eram um povo extremamente pagão e pecador [Dê uma pesquisada para você entender o porque]. Deus ainda havia dado tempo de arrependimento a eles desde a época de Abraão, pra não dizer que Deus foi "injusto":

    E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia. (Gn 15:16)

    Foram mais de 400 anos desde essa conversa entre Deus e Abraão, e aquele povo não quis saber da graça de Deus. Aí entra a Justiça de Deus. Deus não pode deixar o pecado rolando solto pra sempre só porque Ele é amor. Sendo Ele também Justiça, teria de haver um basta, e isso aconteceu através do povo de Israel.

    "O SENHOR é tardio em irar-se, mas grande em poder, e ao culpado não tem por inocente; o SENHOR tem o seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés." (Naum 1 : 3)


    Deus aceitava qualquer estrangeiro que quisesse se ajuntar ao seu povo, mesmo sendo estes pagãos, veja:

    “Javé vosso Deus é o Deus dos deuses e Senhor dos senhores, o Deus grande e valente, o terrível, que não faz acepção de pessoas e não aceita suborno; o que faz justiça aos órfãos e à viúva, e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e roupa. Portanto, amareis o estrangeiro, porque fostes estrangeiros na terra do Egito” (Dt 10,17-19).

    Esse é apenas um, mas há muitos outros que diziam que o povo de Israel deveria ser bondoso com os estrangeiros, e não apenas isso, mas ensinar-lhes os preceitos que Deus havia dado também.

    Os profetas do A.T. não surgiram do nada, todos foram chamados por Deus, a despeito de seus defeitos, porque se Deus fosse esperar alguém sem pecado não iria haver bíblia, pois Paulo fala que todos pecaram! Moisés nunca traiu a Deus, mas desobedeceu quando se irritou com a rebeldia do povo no deserto, e bateu na rocha [Deus havia mandado apenas tocar], por isso ele não pôde entrar na terra prometida. Se você prestar atenção o livro de Levítico destaca a santidade que deve ter o povo de Deus, muito mais os seus líderes, sob os quais repousa maior responsabilidade - veja as questões a respeito dos sacerdotes nesse mesmo livro. Partindo desse princípio, Deus não poderia livrar Moisés das consequências de seu pecado, pois aquele seria um belo pretexto para aquele povo rebelde - leia o livro de Números. Mas, posteriormente, Moisés recebeu seu galardão, pois quando Jesus foi ao Monte das Oliveiras, Moisés apareceu glorificado ali, ou seja, havia sido privado da Canaã terrestre, mas recebeu a Definitiva!

    Saul foi um Rei escolhido pelo povo (rebelde), quando estes quiseram imitar as nações vizinhas. Saul trilhou um caminho de impiedade e não seguiu os caminhos de Deus, ele não é exemplo de nada.
    Davi, pecou se prostituindo com Bate-Seba, mas se arrependeu quando Deus enviou o profeta Natã para exorta-lo. Davi não aprovou o estupro de Tamar, pelo contrário ficou irado.
    Essa de Salomão ter roubado a Rainha de Sabá, está equivocada.

    O que você tem que entender é que Deus não impediu que os pecados dos seus servos fossem relatados na Bíblia. Pelo contrário, ele mostrou que apesar do pior pecado, Ele pode perdoar e resgatar [Veja a história do Rei Manassés]. Os personagens bíblicos eram homens como nós, sujeitos a cair também, logo, esse seu argumento não se aplica.

    ResponderExcluir
  10. Bom, quanto a Jesus, vamos ver...
    Ele guardou o Sábado sim, e o guardou exatamente como se deve guardar: Indo a sinagoga (ou igreja), curando, fazendo o bem. O que acontece é que os judeus haviam deturpado os oráculos que Deus havia dado a Moisés, criando "preceitos de homem" para tornar a Lei um fardo. Veja a forma correta de guardar o sábado:

    “Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; se chamares ao Sábado deleitoso e santo dia do Senhor, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falando palavras vãs, então, te deleitarás no Senhor. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor o disse.” (Is. 58:13-14)

    Jesus não revogou o olho por olho, mas Ele simplesmente tentou ampliar a visão que os judeus tinham da Lei, pois estes haviam chegado a tal ponto de cegueira espiritual - por isso é dito que Jesus viria na plenitude dos tempos - que deturpavam e usavam a lei de modo egoísta e injusto. Eles haviam se esquecido que o objetivo das leis do Antigo Testamento não era condená-los, mas sim afastá-los do perigo do pecado e aproximá-los de Deus. Ela foi dada de forma a ensinar aquele povo quão maligno era o pecado para Deus. Mas eles não entendiam isso, e a usavam para condenarem uns aos outros. Por isso Jesus quebrou de forma radical os paradigmas ao dizer:

    “Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas. Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.” (Mat 5:39-42)

    Maravilhoso isso, não? E assim Jesus foi quebrando os paradigmas, com o perdão a união, tentando ensinar para eles o verdadeiro cumprimento da Lei, que é o amor.

    Quanto aos sacrifícios de animais, é uma questão que exige um certo conhecimento bíblico, mas vou tentar resumi-la.
    Desde o Gênesis, nós vemos a prática do holocausto, e, até antes de Levítico poderíamos pensar que esse rito foi invenção humana, mas, quando o povo é libertado da escravidão do Egito e chega ao monte Sinai, Deus formaliza esse rito estabelecendo uma Aliança com o povo, de forma a ilustrar todo o Plano para Salvar o homem através do Santuário/Tabernáculo e seus rituais. Os sacrifícios foram ordenados por Deus, não porque ele tivesse prazer na morte de animais (I Sam 15:22 e Os 6:6), mas porque queria ensinar àquele povo algumas lições básicas que eles haviam esquecido no Egito:
    1) Pecado = morte
    2) Expiação através de uma vítima (no caso, cordeiro/bezerro), que Deus proveria
    E assim foram dadas no monte Sinai todas as instruções a respeito desses rituais, para que o povo soubesse que por causa do pecado, a lei requeria a vida deles, porém haveria um remidor, respresentado pelo cordeiro. No livro de Hebreus é dito que essas coisas todas eram apenas "sombra do que havia de vir", apenas uma ilustração, um tipo do verdadeiro acontecimento.
    No N.T., quando João Batista viu a Jesus no rio Jordão, ele disse:

    “No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Jo 1:29)

    Dando testemunho de que o verdadeiro sacrifício pelos pecados havia chegado, logo, quando Jesus morre, ali havia se cumprido a verdadeira expiação para a qual a antiga aliança (sacrifícios) apontava. Por isso não havia mais necessidade dos sacrifícios, pois Deus os aceitou pela fé até o tempo oportuno da vinda de Jesus, mas quando Este morre, tudo é consumado. O véu do templo se rasga representando que a pena da lei havia sido paga por alguém que preenchia os requisitos de perfeição da mesma, logo não precisamos mais de sacerdotes para mediar entre Deus e nós como era no A.T.

    ResponderExcluir
  11. Quanto à mulher adúltera, Jesus a perdoou porque viu em seu coração o verdadeiro arrependimento pelo que cometera. E o fato de Jesus dizer "Vai, não peques mais" explicita a condição de adúltera daquela mulher, mas mesmo assim Ele a perdoou.

    Jesus foi morto não porque simplesmente foi contra as regras dos fariseus, mas sim porque era preciso que ele morresse, pois senão não haveria solução nem pra mim, nem pra você. Tudo que Ele passou estava profetizado, e não obstante este fato, os judeus não reconheceram o messias que tanto esperavam, pelo contrário o mataram. Mas mesmo essa tragédia abençoou a e eles e a todos nós.

    Paulo, antes Saulo, foi chamado pelo próprio Jesus no caminho de damasco. Como você pode quere tirar a autoridade de Paulo? Ele mesmo fala Filipenses que foi perseguidor da igreja, mas se arrependeu, e considerou todos os seus títulos e suas posses como perda para seguir a Cristo. O livro de Atos descreve o ministério do apostolo Paulo, sendo dirigido pelo Espírito de Deus, curando e pregando o evangelho juntamente com os outros apóstolos. Ora, toda a escritura é inspirada por Deus (II Tim 3:16). Você acha mesmo que Deus sendo onipotente, e tendo profetizado muitos dos acontecimentos que ocorreram nesse mundo através de homens falhos, iria deixar entrar na Sua Palavra algo que Ele não inspirasse? Ou acredito na soberania de Deus, ou então isso tudo é apenas conto de fadas...

    Bom, se você não considera que homossexualismo faz mal ao próximo, então porque considerar que tráfico de drogas faz? Devo lhe lembrar que o maior mandamento não é o amor ao próximo, mas sim à Deus (Mc 12:30), logo se você desobedece ou aprova a desobediência a um mandamento de Deus com a desculpa de incentivar o amor ao próximo, está pecando.

    Por fim, concordo com sua citação. Jesus não odeia nenhuma de suas criaturas, na verdade Ele as ama tanto que deu Sua vida por elas, para que elas sejam libertas do pecado, ao qual ele repudia.

    ResponderExcluir
  12. Adriano, parabéns por esse artigo maravilhoso, sempre fui fã de Frei Betto, porque ele sim é um religioso que pratica sua religião, muito diferente dos hipócritas que desde a época de Jesus cometiam as mais atrozes injustiças e crueldades.
    Que Deus tenha misericórdia e nos livre dos hipócritas da atualidade, escondidos sob religiões e preconceitos. São tão perigosos quanto os fariseus.

    Seu texto me ajudou por incrícel que pareça a aproximar meu filho de Jesus. Porque ele sempre achava que Jesus estava vinculado a essa idéia medíocre e preconceituosa que muitas religiões passam e acabam afastando quem tem um mínimo de lucidez e bom senso.
    Fica na paz de Cristo

    ResponderExcluir
  13. Caro Adriano, eu, você, os homosexuais, as lésbicas, os assassinos, etc, somos tão preciosos aos olhos de DEUS, que ele deixou sua glória e se fez literalmente homem, pra pagar a pena de nosssa culpa e nos dar poder pra sermos libertos do poder do pecado através de sua morte e ressurreição. Precisamos tão somente nos reconhecermos como pecadores em arrependimento e irmos a CRISTO. Sei que parece preconceito, mas é amor eterno.
    2 Pedro 3:9 O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Ao contrário, ele é paciente com vocês[11], não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.

    Leia Filipenses:2:5 a 11 e Romanos 6:1 a 14

    Romanos:1: 16 Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego. 17 Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé[5], como está escrito: “O justo viverá pela fé” 18 Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, 19 pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. 20 Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis; 21 porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e o coração insensato deles obscureceu-se. 22 Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos 23 e trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis. 24 Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos do seu coração, para a degradação do seu corpo entre si. 25 Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém. 26 Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. 27 Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão. 28 Além do mais, visto que desprezaram o conhecimento de Deus, ele os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam. 29 Tornaram-se cheios de toda sorte de injustiça, maldade, ganância e depravação. Estão cheios de inveja, homicídio, rivalidades, engano e malícia. São bisbilhoteiros, 30 caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, arrogantes e presunçosos; inventam maneiras de praticar o mal; desobedecem a seus pais; 31 são insensatos, desleais, sem amor pela família, implacáveis. 32 Embora conheçam o justo decreto de Deus, de que as pessoas que praticam tais coisas merecem a morte, não somente continuam a praticá-las, mas também aprovam aqueles que as praticam.

    ResponderExcluir
  14. The last little girl on earth1 de julho de 2011 17:08

    Ja faz um tempinho que não passo por aqui, esse texto realmente me surprendeu, eu ja imaginava que não era um texto homofobico,e decerta forma o texto em si não é inovador, fala de inclusão, amor no sentido amplo da palavra enfim, o que surpreende é um frei no alto dos seus 66 anos, com o peso de toda uma tradição catolica castradora ter a capacidade de dicernir entre discriminação, fé e amor.
    Não é qualquer um com o peso da biblia nas costas que consegue fazer isso.
    Da minha posição e de muitos outros imagino, é facil faze-lo, pois não tenho comprometimento com nenhuma religião, embora acredite numa força maior, minha fé não está ancorada a dogmas, por isso me é tão facil navegar por estas aguas.
    Realmente o texto e principalmente o autor surpreende pela sapiencia e empatia.

    ResponderExcluir

É sempre bom ler o que você tem a dizer! Se possível deixe a cidade de onde você esta teclando.